Consultoria de Trans(Formação)

Que desafios temos hoje pela frente? Que caminho temos a percorrer? “O caminho faz-se caminhando”. Mas, qual? E como?

O caminho vai mudando, a cada movimento do ponteiro do relógio. As organizações estão em transformação permanente. Novas tecnologias, novas formas de comunicar e de trabalhar, de pesquisar, de vender e de comprar, de negociar… de estar… implicam hoje o desenvolvimento de novas competências. Como nos podemos preparar para viver num presente/futuro que não conhecemos?

Uma taxa de natalidade de 7,9 sempre a baixar, exige que as pessoas e as organizações, sobretudo as PME’s, com menos possibilidades de formação do que as grandes empresas, identifiquem, de forma clara, as valências e os constrangimentos e invistam no desenvolvimento adaptativo, na aprendizagem permanente, na descoberta/desenvolvimento de novas competências, na trans(formação).

Uma das grandes mudanças do nosso tempo é estarmos abertos à nossa própria mudança. Esta aprendizagem, mais do que uma necessidade, ou uma reacção, deve ser um desejo, uma “pro-acção”: de auto transformação, de auto valorização, de enriquecimento pessoal, de actualização. Competências como flexibilidade, resiliência, proactividade e motivação, são cada vez mais valorizadas e indispensáveis na esfera organizacional. O saber estar, em equipa, ser líder, sentir realização pessoal, envolver-se e estar comprometido é crucial para o sucesso.

São necessários instrumentos que permitam alinhar estratégia, objectivos e competências, que identifiquem as competências existentes, as que podem ser redirecionadas, as que devem ser premiadas e as que necessitam ser desenvolvidas, orientadas, facilitadas. A gestão das pessoas centrada em Competências e na Avaliação e Desenvolvimento do Desempenho, com forte envolvimento dos responsáveis no acompanhamento, são pilares indispensáveis nesta transformação.

A PTC tem vindo a marcar a sua posição. Somos – e fazemos questão de ser – Consultores de (Trans)Formação! De uma forma geral, o desenho de qualquer intervenção, é construído a partir de diferentes perspectivas e realizado numa óptica de consultoria-formação-acção.

Em equipas reais, com Team Building ou Focus Group, na procura de soluções em situações complexas; na formação em sala e no acompanhamento de projectos de consultoria, o nosso papel é o de disponibilizar informação e ferramentas e ajudar o cliente/a pessoa a pôr-se em causa, tomar consciência da necessidade de mudança e mudar rotinas, instrumentos, atitudes, comportamentos.

Procuramos instigar uma atitude empreendedora com responsabilização do próprio no seu plano de transformação, acreditamos que desafiadas e acompanhadas, as pessoas surpreendem-nos e gostamos de ser surpreendidos.

Trabalhamos com o cliente e para o cliente, aportamos o nosso conhecimento e expertise, desenvolvemos competências nos seus colaboradores, promovemos a autonomia.

O nosso foco é que a nossa intervenção tenha retorno para o cliente, por isso implicamo-nos na avaliação do impacto do que fazemos. As diversas formas de contacto junto dos colaboradores e chefias, balanços mensais e auditorias de avaliação são algumas formas que permitem comparar objectivamente os pontos de partida e de chegada.

Artigo publicado na Revista Human, em Dezembro 2014

Categorias:Artigos

Partilhar esta Publicação

Comentar

*